ON

ON

Previsões Windguru Troia-Setúbal 3 Dias

Procura algo procure aqui

Google

Vídeos de Pesca

Loading...

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Copolímeros revestidos com Fluorcarbono ou fios totalmente 100% fluorcarbono

Copolímeros revestidos com Fluorcarbono ou fios totalmente 100% fluorcarbono. Estes fios tem sido nos últimos anos muito utilizados por todos os pescadores em geral. É um fluorcarbono sólido, com alto peso molecular daí afundar bem e são compostos quimicamente e em exclusivo por carbono e flúor. Tem uma alta impermeabilidade devido à alta electronegatividade proporcionada pelo flúor, por isso a água não penetra nele. Tem também um dos mais baixos coeficientes de atrito contra qualquer sólido. Difunde a luz de transmissão quase perfeitamente, e esta é a característica mais difundida pelos fabricantes de fios de pesca em fluorcarbono ,assegurando a sua invisibilidade debaixo de água. Estas propriedades ópticas permanecem constantes sem alterações ao longo de uma vasta gama de comprimentos de onda desde os UV aos perto infravermelhos. É um fio que também se apresenta com pouca memória comparado com fios usuais sem fluorcarbono, mas no mesmo diâmetro entre fios, o fluorcarbono apresenta resistências de quebra significativamente inferiores comparado mais uma vez com fios sem fluorcarbono. Atendendo ao seu maior custo de produção, o preço final é bastante mais caro do que os fios tradicionais. Tenho obviamente muita bobine com fluorcarbono revestido, e também algumas bobines de 100% de fluorcarbono, mas no ultimo ano comecei a questionar até que ponto o uso de fluorcarbono normalmente nas condições que pescamos, sera realmente importante e até que ponto pode fazer a diferença ? Quem gosta destas coisas de pesca, está sempre numa procura de soluções novas, tentando colocar a massa cinzenta a trabalhar pela simples razão, que pescar não é uma ciência exacta! Dentro desta procura, tenho construído algumas reflexões provavelmente muitas delas até erradas. Acredito que numa fase inicial um pescador iniciado, tenha que absorver ao máximo o conhecimento dos mais experientes, pelo menos ao nível básico, mas a partir de determinada altura, tem que começar a pensar pela sua cabeça e só com a experimentação e com os erros, vai tirando conclusões do que na sua convicção, poderá estar mais ou menos adequado em cada cenário de pesca. Já o fluorcarbono inundava o mercado com todas as marcas e mais alguma, um pescador de bóia amigo (dos melhores que conheci ) , quando se lhe falava em fluorcarbono ria-se, dizia apenas que não usava, e apanhava mais sargos e sarguetas em duas horas, do que a maioria de nós apanha num saída embarcada o dia todo, com fluorcarbonos xpto e tal...Bom aquilo ficou-me na cabeça, pensava na altura, bem o que seria se ele pesca-se com fluorcarbono. Pescar em Setúbal não é novidade para ninguém é difícil por varias razões que não vale a pena agora abordar. Principalmente no Verão, o peixe não abunda como cada vez mais é normal, ou pelo menos a actividade é menor, ou simplesmente eles não querem muitas das vezes abordar os nossos iscos. Aposta-se no fluorcarbono a 100%, as águas estão lusas e tal, sol bastante, há pouco peixe e como é normal nestas ocasiões, lá bate um peixe maior, o fluorcarbono xpto e tal não aguenta o peixe, e o estralho parte .Refira-se que utilizando fluorcarbonos no mercado considerados por muitos campeões os melhores, em determinadas medidas mais finas, choupas de 24/25 cm partem os referidos fios, e lá se foram 50 pontos. Acontecimentos destes, vezes demais, até com fios de marcas diferentes, levou-me a pensar, que não podia ser, e comecei a voltar aos fios normais: Os resultados ao nível de ferragens eram iguais, com a diferença que não partiam, e as capturas passaram a ser superiores quando se utilizam determinadas espessuras. Aparentemente ao nível das ferragens não notei diferença entre o fluocarbono e os diversos polímeros sem fluorcarbono. Bom mas voltemos à questão da invisibilidade: Seguramente que o fio em fluocarbono difunde a luz de transmissão quase perfeitamente sem dúvida. Basta olhar para a coloração á luz de uma bobine de fio normal e uma, de fluorcarbono, esta apresenta-se muito mais baça sem brilho do que uma normal. Mas pensemos, normalmente pescamos a 30,40,60 eventualmente 80 metros; Acham que os raios de sol, mesmo com a água bastante límpida penetra estes metros todos com intensidade suficiente para chegarem ao fundo e fazer brilhar um fio normal de forma a que o peixe desconfie dele. Sinceramente actualmente cada vez mais creio que não. No entanto, abaixo dos 30metros admito que em certas condições de água , intensidade e inclinação do sol, o fluorcarbono possa fazer alguma diferença. Por exemplo penso que na pesca de rio o fluorcarbono pode fazer muito mais a diferença nas capturas. Todavia estas reflexões levam-me também a pensar que com tudo isto e com ambos os fios, também ninguém pode afirmar que o peixe não veja o fio, assim como o contrário, apenas e só porque a visão humana é diferente da do peixe . Pessoalmente estou convicto que, na visão do peixe, pouco a conhecemos, não é mais uma vez seguramente igual à nossa, o peixe na maior parte das vezes até vê o fio, apenas não o considera ameaçador, não se assusta com ele, e está mais concentrado no isco que pretende comer. Tentando ser prático e objectivo ainda à pouco tempo fiz uma experiência aos 40 metros, com estralhos de 35 cm em 0,45 (fio normal) e tirei em ½ hora, 9 choupas (540pontos) seguidas, com medida, com anzóis xl, e mais ninguém tirava choupas com medida, iscos iguais. Isto faz pensar quantas vezes estamos com o fluorcarbono mais fino e tal, anzóis mosca, e não conseguimos meter a contar, uma choupa com medida. Atenção não estou aqui agora a dizer, que o 0,45 e anzóis xl, é que é bom, nada disso mas apenas relato um facto que nos faz pensar, que em pesca não há certezas absolutas. Creio com isto tudo que o papel da utilização de fios mais finos, estará mais relacionado, em como proporciona fazer, uma apresentação do isco de forma mais natural, trabalhando melhor a iscada ao sabor da corrente de fundo, ao mesmo tempo, não transmitindo algo desenquadrado do ambiente circundante. Finalizando e concluindo, depois destes anos todos a pescar com fluorcarbono em alto mar, não vejo que os resultados em capturas possam apresentar-se melhores, do que com os fios normais. A sua resistência à quebra é bastante menor, proporcionando muitos dissabores com peixe que se perde. O preço comparado com os fios normais é bastante superior, a vantagem da pseudo invisibilidade em minha opinião, não justifica, a sua utilização generalizada, mas sim apenas em determinadas situações. Esta é apenas e só, uma convicção e opinião pessoal , polémica com certeza. Aceito , todas as outras opiniões contrárias, sem qualquer tipo de questão, apenas e só porque a pesca mais uma vez, não é uma ciência exacta. Até já.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Tempo

Ultimas Notícias

****Carlos Motaco do Clube Companhia dos Mares sagrou-se Campeão Nacional de 2008-Célio Alves Campeão Nacional 2009****